Palestras

Base Nacional Comum Curricular: o que muda no ensinar e aprender?* 14/09 às 18h30min

Ministrante: Inês Barbosa de Oliveira - UERJ. Mediador: Linovaldo Miranda Lemos IFFluminense

 Resumo Currículo -  Inês Barbosa de Oliveira

Possui graduação em Pedagogia pela Faculdade de Educação Jacobina (1982), mestrado em Administração de Sistemas Educacionais pelo Instituto de Altos Estudos Em Educação da FGV (1988) e doutorado em Sciences Et Théories de L'éducation - Université de Sciences Humaines de Strasbourg (1993). Pós-doutora pelo Centro de Ciências Sociais da Universidade de Coimbra (2002) com Habilitation a Diriger des Recherches (HDR) pela Université de Rouen (França, 2013). Atualmente é professora associada da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e Presidente da Associação Brasileira de Currículo (ABdC), além de membro do GT Currículo da ANPEd. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Teoria Geral de Planejamento e Desenvolvimento Curricular, atuando principalmente nos seguintes temas: cotidiano escolar, pesquisa nos/dos com os cotidianos, currículos pensadospraticados e emancipação social na perspectiva da justiça cognitiva e da cidadania horizontal.

Resumo

A proposta de instauração de uma Base Nacional Comum Curricular (BNCC) para implementação na Educação Básica em todo o Brasil carrega consigo inúmeros problemas. Entendemos que a ideia fere a legislação e as metas que diz defender ao desconsiderar a diversidade nacional, unificar o que deveria ser plural e, com isso, favorecer a ampliação da exclusão escolar e social. É também uma proposta que desvaloriza e busca controlar os fazeres docentes e que descumpre acordos internacionais. A proposta assume uma perspectiva curricular antiquada e tradicionalista, que desconsidera os conhecimentos do campo do currículo e outras possibilidades de formular propostas curriculares, e uma concepção “avaliacionista” e quantitativista de qualidade, deixando de lado a qualidade social necessária ao direito à educação pública para todos. Ou seja, compromete a possibilidade de melhoria do ensino, não a promove. Com relação aos processos de aprendizagem e ensino, sempre atrelados às especificidades locais e de impossível centralização, a proposta da BNCC propõe sua padronização, concebendo-os como processos técnicos de aquisição/absorção de conteúdos considerados necessários e válidos pelos formuladores do documento, sem que o necessário diálogo com o local e suas possibilidades seja efetivado. A discussão nos remete, portanto, a interrogações e reflexões a respeito do que seriam os conteúdos necessários, válidos e prioritários. A reflexão nos exige ainda pensar a questão da organização curricular, as hierarquias que nela interferem e sua validade. Finalmente, faz-se necessário discutir a questão dos currículos enquanto criação cotidiana de e em cada realidade escolar. Defendemos a ideia de que os currículos são criados por meio de processos de influência mútua e enredamentos entre concepções, propostas, ideias, documentos, debates e aspectos da vida cotidiana, nos quais são recriados uns e outros. Nesse sentido, defendemos e sustentamos que não há previsibilidade, nem controlabilidade possível deles e, por isso e com isso, a proposta da BNCC tende ao fracasso, como tantas que a antecederam.

Palavras-Chave: Base Nacional Comum. Ensinar e Aprender.

* Não há necessidade de fazer inscrição para palestra.

Formação de Professores para Educação Básica: novos tempos, novos rumos* 13/09 às 18h30min

Ministrante: Professora Drª. Ilma Passos Alencastro Veiga - UnB; Mediador: Analice de Oliveira Martins IFFluminense

Foto

Resumo Currículo Lattes: Possui Bacharelado e Licenciatura em Pedagogia pela Faculdade de Filosofia Ciencias e Letras de Goias (1961), Licenciatura em Educação Física pela Escola Superior de Educação Física de Goiás (1967), mestrado em Educação pela Universidade Federal de Santa Maria (1973), doutorado e pós-doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (1988). É professora Titular Emérita e pesquisadora associada senior da Universidade de Brasília. É professora do Centro Universitário de Brasília onde coordena a Assessoria Pedagógica da Diretoria Academica. Tem experiência na área de Educação, atuando principalmente nos seguintes campos: formação de professor, didática, educação superior, docência universitária e projeto político-pedagógico. Orienta dissertações, teses e supervisiona atividades de pós-doutoramento. Atualmente é membro da Comissão de Superviosão Pedagogica dos Cursos de Formação de Professores na area de Pedagogia da Secretaria de Educação Superior, do Ministério de Educação.


* Não há necessidade de fazer inscrição para palestra.